Twitter Facebook Youtube
A Comissão da CEDEAO e Parceiros Formam Jornalistas na Área das Melhores Práticas de Redução de Riscos de Catástrofes

Acra, 22 de novembro de 2019

Não menos de 30 jornalistas foram formados na área das melhores práticas de Redução de Riscos de Catástrofes (RRC), em um programa de dois dias organizado pela Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) em parceria com o Escritório das Nações Unidas para Redução de Riscos de Catástrofes (UNDRR).
O Workshop de formação iniciado em Acra, Gana, no dia 19 de novembro de 2019, reuniu profissionais da comunicação social e gerentes da zona anglófona da África Ocidental, que foram expostos a um comportamento jornalístico desejável em relação à reportagem de questões de RRC antes, durante e após os períodos de catástrofes.
Em um cenário dinâmico e constante de catástrofes, os profissionais da comunicação social também foram expostos a módulos, habilidades de resposta e técnicas preparadas para trazer benefícios aos cidadãos da África Ocidental na prevenção e mitigação de catástrofes, incluindo a identificação de lições apropriadas que devem ser armazenadas em bases de dados de instituições institucionais, daqui em diante.
Exortando os profissionais da comunicação social a estarem atualizados com a dinâmica contemporânea, a Comissária da Comissão da CEDEAO para Assuntos sociais e género, a Dra. Siga Fatima Jagne enfatizou a importância primordial do papel da comunicação social na redução e gestão de riscos de catástrofes.
Representada pelo Oficial Principal de Programa, Sr. Mohammed Ibrahim, ela observou que o plano de ação (2015-2030) foi uma demonstração da prontidão da Comissão da CEDEAO em dar um impulso necessário aos esforços globais, continentais, regionais e nacionais para responder de maneira mais robusta aos crescentes riscos de catástrofes.

Segundo a Comissário, a consciencialização pública e a educação pública para a Redução de Riscos de Catástrofes podem capacitar as pessoas comuns em todos os lugares a participar na redução do sofrimento futuro.

“Os jornalistas devem garantir que as informações fornecidas alertem o público afetado, ajudem as comunidades a se prepararem para um catástrofe e se concentrem em como e onde procurar ajuda em caso de catástrofes”, acrescentou ela.

A Comissário Jagne reafirmou o alto compromisso da comissão com as questões de RRC e a implementação de atividades para aumentar a capacidade dos Estados-membros por meio de sua colaboração com os parceiros, de acordo com o Quadro de Sendai para RRC, o Programa Regional da União Africana para RRC e o Política de RRC da CEDEAO.

O chefe de relações externas do UNDRR, Adair Ackley, bem como a Diretora, Adaptação às Mudanças Climáticas e RRC da Organização Nacional de Gestão de Catástrofes de Gana (NADMO), Sra. Charlotte Norman, destacou, entre outros, a importância da mudança de comportamento e melhores atitudes para salvar vidas pelos disseminadores de informações sobre RRC e pela comunidade em geral.

O Workshop contou com apresentações, exercícios de simulação, construção de cenários e lições aprendidas feitos pelos facilitadores, que incluíram o Presidente da Rede de Redução de Riscos de Catástrofes para Jornalistas Africanos (DIRAJ), Edward Wanyonyi Walekhewa, o secretário da organização, David Owino, o Coordenador da Rede Africana de Redução de Riscos de Catástrofes e desenvolvimento, Olusoji Adeniyi, bem como a oficial superior de Comunicações da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, Senhora Daisy Diamante Leoncio.
Os Peritos em RRC têm sustentado, de maneira diversa, que a extensão da vulnerabilidade, exposição a riscos e perdas causados pelas catástrofes deve continuar a aumentar nas próximas décadas na África Ocidental, sendo que as inundações e secas continuam a ser as mais prevalecentes.

—————————–FIM——————

Para mais informações por favor entre em contacto:

Direção de Comunicação, Comissão da CEDEAO
Telefone: +234 8102507938
E-mail: soulate@ecowas.int
Twitter: @ecowas_cedeao
Facebook: Ecowas_Cedeao
www.ecowas.int

Partilhar no:

Twitter Facebook Google Plus Linkedin Youtube Instgram